fbpx

Dedicada a cuidar da saúde financeira dos seus clientes.

Selo AADCONCE Empresa associada

Saiba quando a carta de cobrança deve ser utilizada

Lidar com a inadimplência não é nada fácil. Nós já comentamos muito por aqui. Contudo, existem alguns cuidados que podem ser tomados para estimular que o devedor pague o débito, sem que o relacionamento seja estremecido por essa situação desagradável. Uma das formas mais tradicionais de se fazer é a carta de cobrança.

Neste artigo, vamos te explicar quando se sugere o uso, quais informações devem estar contidas nela e quais os cuidados que devem ser tomados ao escrevê-la.

O que é carta de cobrança?

Vamos pelo básico! A carta de cobrança nada mais é que uma comunicação física pela qual o devedor repassa ao devedor a existência de dívida de sua responsabilidade. Diante do alto custo de um serviço como esse, que se deve à tarifa dos Correios, é bastante comum que seu conteúdo já possua código de barras para que o cliente desde já efetue o pagamento. Lembre-se: facilitar o pagamento é fundamental para uma cobrança de sucesso.

Saiba quando utilizar a carta de cobrança

Geralmente, a carta cobrança não é a primeira opção de cobrança. Isso porque, como já falamos acima, o seu custo é bem maior do que um SMS ou e-mail, portanto não faz sentido, sob o critério financeiro, usá-la antes de tentar cobrar o devedor através de meios mais simples.

Nesse sentido, quando o devedor recebe a carta de cobrança, ele já deve saber a origem e outras informações de sua dívida, bem como conhecer as opções disponíveis para quitá-la.

 

Montando sua carta de cobrança

Antes de tudo, ressaltamos a importância do tom neutro que a carta deve manter. Isso se deve não somente ao fato de que é preciso evitar que o cliente se sinta ofendido, mas também ao aspecto de que o próprio código do consumidor (CDC) condena qualquer tipo de ameaça, constrangimento ou exposição ao ridículo. Sabendo disso, confira o conteúdo que a carta deve conter:

Origem da dívida (produto ou serviço referente à cobrança);
Valor das parcelas ou do total em atraso;
Data de vencimento;
Nome e cargo do remetente;
Assinatura do remetente;
Orientação sobre como o cliente pode prosseguir.

O cliente deve ser informado do tempo que tem para regularizar a pendência até que seu nome seja cadastrado no SPC, por exemplo, ou outra ação seja tomada. Também é importante, quando possível, unir todos os débitos de um mesmo devedor numa única carta de cobrança e oferecer formas de pagamento diferenciadas, através de mais de um código de barras.

 

E aí, será que vale a pena investir na sua? Caso queira saber mais de como esse serviço funciona, fale conosco clicando aqui.